Saúde do DF receitou 9,7 mil comprimidos de cloroquina na pandemia

0

Mesmo sem qualquer comprovação científica sobre a eficácia contra a Covid-19, a Secretaria de Saúde distribuiu, durante a pandemia do novo coronavírus, pelo menos, 9.741 comprimidos de cloroquina 150 mg a pacientes do Distrito Federal. O número representa parte do estoque de 72 mil pílulas do medicamento encaminhado pelo Ministério da Saúde até o dia 31 de janeiro de 2021.

Os números foram adquiridos pela coluna Janela Indiscreta por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI) e revelam ainda que há disponíveis 12.481 comprimidos do fármaco nas unidades da rede pública local.

A diferença desse quantitativo com a remessa feita pela União foi distribuída para outras unidades da Federação, segundo informou a pasta local. O órgão do Governo do Distrito Federal (GDF) não soube precisar quantos pacientes infectados pelo Sars-Cov-2 receberam o tratamento não indicado por especialistas (veja abaixo).

Originalmente, a cloroquina é receitada para diagnósticos de malária, por exemplo, mas acabou defendida publicamente pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido, foto em destaque) como protocolo precoce contra a Covid-19, argumento rebatido por estudiosos e cientistas. O Ministério da Saúde chegou a incluir a fórmula no protocolo da União em aplicativo oficial para evitar casos mais graves da doença.

1

Ineficácia e procura

Em dezembro, o repórter Lucas Marchesini, do Metrópoles, revelou que, com a segunda onda da Covid-19 no Brasil, voltou a crescer a procura por cloroquina e hidroxicloroquina em farmácias privadas. A alta aconteceu apesar de diversos estudos já terem demonstrado que a substância é ineficaz no combate ao novo coronavírus. Em novembro, por exemplo, houve aumento de 23,7% na venda dos medicamentos na comparação com outubro.

As informações foram extraídas do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), que “monitora as movimentações de entrada (compras e transferências) e saída (vendas, transformações, transferências e perdas) de medicamentos sujeitos à escrituração no SNGPC comercializados em farmácias e drogarias privadas do país”, explica a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em outra reportagem, esta de janeiro passado, o jornalista indicou que o DF liderou o ranking de população que proporcionalmente mais comprou hidroxicloroquina durante a pandemia, com 784 caixas do remédio para cada 100 mil habitantes. Em seguida foi o Rio Grande do Sul (671 para cada 100 mil pessoas) e Goiás, com 612 para cada 100 mil.

Em outubro de 2020, a Organização Mundial da Sáude (OMS) concluiu que a cloroquina e outros remédios eram ineficazes no combate ao novo coronavírus. O estudo demonstrou que Remdesivir, hidroxicloroquina, Lopinavir e Interferon têm “pouco ou nenhum efeito em pacientes hospitalizados com Covid-19”.

A aposta de Bolsonaro na cloroquina teve diversos efeitos. Além de promover um medicamento que não funciona no combate à Covid-19, há um estoque encalhado do composto em diversas cidades brasileiras.

Para se ter ideia, o Exército Brasileiro entrou em campo para buscar o medicamento e, apesar de negociar a compra de cloroquina há anos com diversas empresas do mercado, apenas consultou duas organizações para a oferta da substância em 2020. As instituições procuradas foram a Sul Minas, escolhida para a aquisição, e a MCassab, procurada um mês depois da compra.

Atualmente, o Tribunal de Contas da União (TCU) investiga a Sul Minas e o Exército por superfaturamento do produto. A empresa vendeu cloroquina à corporação por um valor 167% mais alto do que havia cobrado anteriormente.

Deixe o seu comentário