Pai decapita a própria filha de 14 anos e alega “crime de honra”

0

Romina fugiu da casa em que morava para viver com o namorado, de 35 anos, depois que o pai se opôs ao casamento deles

Redação Jornal de Brasília
Foto: AFP



Romina Ashrafi, uma adolescente de 14 anos, foi assassinada pelo próprio pai após fugir com o namorado. O pai se rendeu e justificou o homicídio como “crime de Honra”, prática persistente em vários setores da sociedade iraniana. O crime chocou diversas pessoas no Irã e no mundo.

Romina fugiu da casa em que morava para viver com o namorado, de 35 anos, depois que o pai se opôs ao casamento deles. No entanto, o casal foi encontrado pelas autoridades locais e a jovem, que temia por sua vida, foi levada de volta à sua casa.

PUBLICIDADE

Após receber a filha em casa, o homem decapitou Romina com uma foice e, depois de se render à polícia, disse que era um “crime de honra”, justificativa praticada por familiares, no Irã, que afirmam que as vítimas danificaram o prestígio ou a honra da casa. Veículos da imprensa iraniana informaram que, após cometer o homicídio, o pai de Romina saiu para o pátio de sua casa ainda com a foice manchada com o sangue da filha.

O código penal do país reduz a punição de membros da família que são condenados por assassinato ou agressão de crianças em casos de violência doméstica ou “crimes de honra”.

Cidadão iranianos condenaram a ação e a hashtag #Romina_Ashrafi foi usada mais de 50 mil vezes no Twitter. Shahindokht Molaverdi, ex-vice-presidente para Assuntos da Família e da Mulher e atual secretária da Sociedade para a Proteção dos Direitos das Mulheres do Irã, escreveu: “Romina não é a primeira nem será a última vítima de crimes de honra”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Shahindokht explica que crimes como esse continuarão ocorrendo “enquanto a lei e as culturas dominantes nas comunidades locais e globais não forem suficientemente dissuasivas”.

LEIA TAMBÉM

Deixe o seu comentário