Fittipaldi diz o que é mais fácil e mais difícil na Fórmula 1 atual

0

O ex-piloto surpreendeu ao dizer que é mais complicado atingir o limite do carro em 2021 do que quando estava no cockpit, na década de 1970

atualizado 20/04/2021 17:29

Emerson FittipaldiSimon Hofmann/Getty Images for Laureus
Primeiro brasileiro bicampeão de Fórmula 1, Emerson Fittipaldi comparou a categoria atual à de sua época. Em entrevista ao Site de Apostas, o ex-piloto surpreendeu ao dizer que é mais difícil atingir o limite do carro em 2021 do que quando estava em um cockpit, nas décadas de 1970 e 1980.

“A principal diferença é a segurança. É muito mais seguro agora. A eletrônica, a telemetria, o motor, para ajudar o motorista a desenvolver um carro e dirigir melhor. Hoje é mais fácil tirar informações do carro do que as que tínhamos. Mas chegar ao limite e quebrar os últimos cinco metros é mais difícil hoje em dia do que naquela época”, afirma Fittipaldi.

PUBLICIDADE

Aos 74 anos, Fittipaldi viu seu neto Pietro estrear na Fórmula 1 no ano passado. Além deles, a família já alinhou no grid da principal categoria de automobilismo do mundo outros dois nomes: Wilson e Christian.

Renovação prejudicada

A renovação de talento dentro da família é algo raro de se ver, sobretudo porque a base no Brasil está fragilizada. Emerson Fittipaldi acredita que irá demorar para outro piloto brasileiro brilhar na F1.

conteudo patrocinado

Anvisa libera nova pílula que age na gordura profunda da barriga

FINATRIMAnvisa libera nova pílula que age na gordura profunda da barriga

Esqueça o bitcoin: conheça a lista de criptomoedas que entregou 2.250% de valorização em 4 anos

SEU DINHEIROEsqueça o bitcoin: conheça a lista de criptomoedas que entregou 2.250% de valorização em 4 anos

Emagrecer em 2021: pílula emagrecedora que age na gordura profunda do corpo impressiona

REDUTROL – CORPO DE VERÃOEmagrecer em 2021: pílula emagrecedora que age na gordura profunda do corpo impressiona

“Tivemos grandes pilotos, Barrichello, Felipe Massa… A história dos pilotos brasileiros é fantástica e eu tenho muito orgulho, mas é difícil voltar a ganhar um campeonato. Eu olho para a nova geração, muitos jovens pilotos brasileiros vêm do kart, como o Emmo (Emerson Fittipaldi Jr, filho de Fittipaldi)… Acho que a razão de não termos um brasileiro dirigindo na F1 agora é porque houve uma lacuna, onde não teve apoio nas bases da corrida. Não temos Fórmula 4 no Brasil e deveríamos ter. Eles precisam ajudar pilotos desta idade, e ainda mais jovens, muitos não têm oportunidade”, alerta o bicampeão.

Deixe o seu comentário