Donos de bares, restaurantes e salões protestam por reabertura imediata

0

Cerca de 600 pessoas fizeram carreata e se reuniram em frente ao Buriti para pedir que Justiça libere setor

Representantes dos setores de bares e restaurantes, da beleza e de academias do Distrito Federal se reúnem desde às 11h desta terça-feira (23/06), na Praça do Buriti. O ato tem como objetivo pedir a reabertura imediata dos estabelecimentos que estão com as atividades suspensas desde março pela pandemia do novo coronavírus.

Eles saíram em carreata da Praça dos Tribunais Superiores, no centro de Brasília, e chegaram ao local. Segundo os organizadores, cerca de 600 pessoas acompanham a iniciativa.

Conforme o Metrópoles revelou em reportagem publicada nesta terça, impedidos de reabrir, restaurantes do DF amargam prejuízo de R$ 750 milhões. Caso as atividades fiquem suspensas por mais tempo, estimam que o rombo chegará a R$ 1,8 bilhão.

Em reunião com o governador Ibaneis Rocha (MDB), na semana passada, a expectativa do setor era para que os estabelecimentos reabrissem a partir desta quinta-feira (25/06) ou, no máximo, dia 1° de julho.

Sem interferência
Como a Justiça impediu o GDF de liberar a retomada de mais atividades, agora, terão que esperar a apreciação de recurso apresentado contra a liminar pela Procuradoria Geral do DF nessa segunda-feira (22/06).

“Queremos que cada um atue na sua área, sem interferência cruzada. Esse é o ponto principal. Estamos otimistas. A Procuradoria recorreu e acreditamos que o Judiciário vai suspender essa decisão e vamos conseguir voltar no dia 1° de julho”, afirmou Beto Pinheiro, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no DF (Abrasel).

“São muitas pessoas passando necessidades. A gente não aguenta mais 90 dias fechados. Estamos aqui para reafirmar o nosso compromisso com o governador. Queremos que tudo seja resolvido”, acrescentou Pinheiro.

O presidente do Sindhobar-DF, Jael Antônio da Silva, diz que se a reabertura não ocorrer nos próximos dias, a situação ficará ainda mais caótica.

“Os nossos empresários não têm mais saída. Não há mais receita. Estamos completando 100 dias sem faturamento. Como uma empresa sobrevive a tanto tempo parada e sem nenhum tipo de ajuda? Os estabelecimentos já demitiram cerca de 50% do quadro e se não reabrir, esse número ainda deve aumentar.”

Após a decisão judicial, 28 entidades do setor produtivo assinaram carta de repúdio contra a decisão judicial, divulgada pela coluna Grande Angular, do Metrópoles. Conforme o documento, o segmento de bares e restaurantes foi mais prejudicado pela suspensão das atividades.

Insatisfação
O próprio governador não escondeu a insatisfação com a decisão judicial tomada pela juíza federal titular da 3ª Vara Federal Cível do DF, Kátia Balbino de Carvalho Ferreira, e publicada na noite de sábado (20/06). “O que ela está fazendo é uma interferência indevida no meu legítimo direito de governar”, afirmou Ibaneis à coluna Grande Angular.

O chefe do Executivo local está convicto das medidas tomadas até agora. “Não abriria nada se não tivesse segurança para agir nesse sentido. Recebi estudos e com base nestes levantamentos que estou tomando todas as medidas. Até agora, não errei. Basta comparar os índices do Distrito Federal com os de outros estados”.

Deixe o seu comentário