CIDADESCoronavírus: volta às aulas nas escolas públicas adiadas no DF

0

CIDADES

Coronavírus: volta às aulas nas escolas públicas adiadas no DF

A previsão inicial era de que os alunos retornasse às escolas no dia 31 de agosto mas, como uma medida de combate ao novo coronavírus, essa data foi adiada

Aline Rocha

Publicado

em

Foto: Vítor Mendonça/Jornal de Brasília

PUBLICIDADE

O retorno às aulas presenciais na rede pública de ensino do Distrito Federal (DF) foi adiado. A previsão inicial era de que os alunos retornasse às escolas no dia 31 de agosto mas, como uma medida de combate à propagação ao novo coronavírus na capital, essa data foi adiada e, até o momento, não foi definida novamente.

Na tarde desta quarta-feira (19) acontecerá uma coletiva de imprensa com a presença dos secretários da Casa Civil, Gustavo Rocha; da Educação, Leandro Cruz; de Governo, José Humberto Pires; e de Saúde, Francisco Araújo para tratar das novas medidas do combate ao novo coronavírus, além do impacto na economia e a questão do retorno às aulas.

O Governo do Distrito Federal (GDF) adotando medidas técnicas para garantir que não ocorra aumento no contágio pelo vírus no DF que, até 12h de hoje, já tem 140.593 diagnósticos confirmados desde o início da pandemia e 2.129 óbitos registrados em decorrência de complicações causadas pelo vírus.

Escolas particulares

O desembargador do TRT-10, Pedro Luis Vicentin Foltran, designou audiência de conciliação entre Ministério Público do Trabalho (MPT), Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino no Distrito Federal (SINEPE) e Governo do Distrito Federal (GDF), para discutir retomada das aulas presenciais na rede de ensino particular do Distrito Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A decisão desta segunda-feira (17), cumpre determinação do corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Aloysio Corrêa da Veiga, do Tribunal Superior do Trabalho (TST). A audiência de conciliação será na próxima quinta-feira (20), às 14h30, por meio de teleconferência. A audiência será transmitida pelo canal do TRT-10, no YouTube.

Deixe o seu comentário