3,7 mil crianças de até 10 anos testaram positivo no DF

0

Após cinco meses da pandemia do novo coronavírus na capital, duas crianças nessa faixa etária perderam vida para a covid-19

WG
Walder Galvão
postado em 21/08/2020 10:06
Segundo estudo da Universidade de Harvard, o potencial infeccioso das crianças tem sido subestimado -  (foto: Divulgação/Pixabay)
Segundo estudo da Universidade de Harvard, o potencial infeccioso das crianças tem sido subestimado – (foto: Divulgação/Pixabay)

Desde o primeiro diagnóstico do novo coronavírus no Distrito Federal, em 5 de março, a pandemia continua a avançar. Relatório mais recente da Secretaria de Saúde, divulgado nessa quinta-feira (20/8), mostra que há 143.759 infectados e 2,2 mil mortes da doença na capital. Entre os contaminados, 3.789 são crianças de até 10 anos.

Além disso, a capital registrou a morte de duas crianças nessa faixa etária desde o início da pandemia. Uma dessas vítimas é um bebê de um mês e quatro dias, que morreu no Hospital Regional da Asa Norte (Hran) em 11 de junho. A menina não tinha comorbidades – outras doenças que agravam os sintomas da covid-19.

No Distrito Federal, o grupo etário que mais registrou infecções pelo novo coronavírus é o de pessoas entre 30 e 39 anos. Ao todo, há 38.702 casos nessa faixa de idade. Em seguida, estão pessoas entre 40 e 49 anos (31.775) e 20 a 29 anos (26.722).

Entretanto, aqueles com idade mais avançada lideram o ranking de mortes. No total, 544 pacientes com mais de 80 anos não resistiram às complicações causadas pelo novo coronavírus. O segundo grupo etário com mais óbitos são de pessoas entre 70 e 79 anos (487) e, em terceiro, entre 60 e 69 anos (436).

Crianças podem ser mais infecciosas

Um estudo da Escola Médica da Universidade de Harvard (EUA) constatou que crianças têm alta carga viral da covid-19 e podem ser mais contagiosas que adultos, inclusive aqueles internados em unidades de terapia intensiva (UTI). De acordo com a pesquisa, o potencial de disseminação do vírus entre os mais jovens tem sido subestimado desde o início da pandemia.

Tags

Deixe o seu comentário